Vita D como hormônio / Vita D as hormone

Atualizado: 29 de jan.






Chamo de Vita D como abreviação de VITALIDADE e por ser um hormônio de fato, a conhecida vitamina D cujo valor limiar utilizado para descrever o défice ainda é controverso e a variabilidade dos métodos laboratoriais onde a ausência de valores de referência globalmente aceites, dificulta que se chegue a um consenso comum.

O corpo produz a Vita D à partir do colesterol (alguns pesquisadores inclusive, defendem a classificação da Vita D como hormônio por se tratar de um ativo derivado do colesterol com cascata de ativação que inclui precursores, receptores e um conjunto de enzimas próprias) quando a pele é exposta aos raios ultravioletas da luz solar convertendo o colesterol na tão importante "vitamina", mas para isso é preciso expor a maior parte do corpo ao sol sem protetor solar, por pelo menos vinte minutos diários, entre os horários das dez da manhã até às três da tarde, horário este, em que a sombra do corpo é menor que a altura do próprio corpo, período que normalmente, os médicos "dermatologistas" pedem para evitar, o que por essas e muitas outras razões, a maioria da população acaba tendo deficiência de Vita D e a vitalidade comprometida já que a Vita D é o grande potencializador do sistema imunológico .

É sabido também, que a baixa dosagem desse hormônio no organismo traz inúmeros danos para a saúde e está relacionada a várias doenças, como as autoimunes, por exemplo, além de doença inflamatória intestinal, infecções bacterianas e virais, doenças cardiovasculares câncer e doenças neurodegenerativas, é possível existir alguma doença autoimune que não esteja de uma forma ou outra relacionada com a Vita D mas é difícil encontrar, o suporte científico é extremamente vasto da relação entre níveis diminuídos da Vita D e as muitas doenças autoimunes, sendo essa a razão que justifica a sua suplementação na maioria dos casos! Níveis abaixo de 60ng/ml já é considerado deficiência na medicina preventiva, que pode ser também uma das causas dos abortos de repetição inclusive e apontado em diversos estudos.

Infelizmente a transmissão de conhecimento no meio médico é controlado pela indústria farmacêutica, por isso oficialmente grande parte dos médicos não prescrevem mais que 600ui por dia e consequentemente muitas doenças acabam sendo cultivadas por esse erro.

A imunomodulação da Vita D interfere na diferenciação de algumas células do sistema imunológico, como monócitos a macrófagos, estimula a atividade fagocitária e inibe a produção de algumas substâncias que, em excesso, podem ser danosas.

Como saber se você tem ou não deficiência?
Responda as perguntas à seguir:
- Fica doente com frequência ou pega infecções com facilidade?
- Se sente fraco ou com fadiga excessiva?
- Tem dor nos ossos ou costas?
- Se sente depressiva?
- Tem dificuldade na cicatrização?
- Perda óssea?
- Queda de cabelo?

No caso, de duas ou mais respostas positivas, já que ter endometriose é a primeira resposta afirmativa para possível deficiência, procure um médico de qualquer especialidade e faça uma dosagem no sangue para saber como andam os níveis no seu organismo, pois é possível que esteja abaixo de 30ng/ml.

Alguns protocolos pedem uma suplementação para elevar os níveis de Vita D além dos marcadores laboratoriais onde os níveis desejáveis apontem entre 80 e 100ng/ml que é considerado preventivo!

A dosagem ideal para suplementação e manutenção desses níveis no organismo é em média 10.000ui por dia para manter essas taxas acima de oitenta e abaixo de cem, segundo o Dr Coimbra até 10.000ui por dia pode ser usado sem nenhuma precaução de dieta já que é uma quantidade que se adquire naturalmente em dez minutos de exposição ao sol e ele ainda completa, dizendo que não há justificativa para deixar uma pessoa sem uma suplementação adequada de Vita D. Para se ter uma ideia um ser humano com dezenove de Vita D no organismo, tomando uma dose única de 600.000ui leva 3 dias para elevar os níveis para setenta e sete, mas em trinta dia já cai para sessenta e dois, portanto a suplementação deve ser diária em doses ideais para manter os níveis desejáveis. Crianças também devem suplementar se os exames apontarem a deficiência e a dosagem ideal é de 200ui por cada kg de peso.

Já no protocolo COIMBRA, criado por esse professor de mente brilhante, pioneiro em tratar a esclerose múltipla, exclusivamente com a Vita D, cada caso deve ser avaliado individualmente, onde doses variam de 20.000ui à 150.000ui e tem que ser rigorosamente acompanhado com uma dieta rígida e adequada para não haver um comprometimento renal, já que o grande efeito colateral dessa vitamina é forçar a absorção excessiva de cálcio, então alimentos ricos em cálcio, como laticínios e derivados do leite, ficam expressamente proibidos mediante a essa suplementação prescrita pelo Dr e Prof Coimbra, pois é perigoso e pode chegar ao ponto de calcificar os rins, portanto cuidado, doses acima de 20.000ui só com dieta restrita e acompanhamento médico rigoroso!

Faça exames periódicos de cálcio e Vita D para manter os níveis controlados e desejáveis, adequando a dosagem sempre que necessário.

Tomar doses diárias, acredito "eu", ser melhor do que doses semanais, assim como tomar um pouco de sol por dia, é melhor do que torrar em um dia só de um fim de semana qualquer, até porque o organismo é inteligente e ele para de absorver os raios solares benéficos que ativam esse hormônio depois de vinte minutos de exposição para que não tenhamos uma intoxicação pelo excesso dela, então use essas informações com sabedoria e compartilhe para conhecimento geral do mundão!

Alguns alimentos também são ricos em Vita D são eles: sardinha e atum em lata, fígado de boi, ovos, queijo, cheddar, manteiga, iogurte, óleo de fígado de bacalhau, etc, mas não é suficiente.

Agora, procure seu médico e faça exame ao menos uma vez por ano para manter uma suplementação e usufruir dos benefícios.

14/02/2018
Ariane Steffen

I call Vita D as an abbreviation of VITALITY and because it is a de facto hormone, the well-known vitamin D whose threshold value used to describe the deficit is still controversial and the variability of laboratory methods where absence of globally accepted reference values makes it difficult to reach common consensus.

The body produces Vita D from cholesterol (some researchers even defend the classification of Vita D as a hormone because it is a cholesterol-derived asset with an activation cascade that includes precursors, receptors and a set of its own enzymes) when skin is exposed to the ultraviolet rays of sunlight converting cholesterol into the very important “vitamin”, but for that is necessary to expose most of the body to the sun without sunscreen, for at least twenty minutes daily, between the hours 10 A.M until three P.M, when the shadow of the body is less than the height of the body itself, a period that normally “dermatologist” doctors ask to avoid, which for these and many other reasons, the majority of the population ends up having Vita D deficiency and compromised vitality since Vita D is the great enhancer of the immune system.

It is also known that the low dosage of this hormone in the body causes innumerable damage to health and is related to several diseases, such as autoimmune diseases, for example, in addition to inflammatory bowel disease, bacterial and viral infections, cardiovascular diseases, cancer and neurodegenerative diseases, it is possible that there is an autoimmune disease that is not related to Vita D in one way or another but it is difficult to find, scientific support is extremely vast in the relationship between decreased levels of Vita D and the many autoimmune diseases, which is the reason that justifies its supplementation in most cases! Levels below 60ng/ml are already considered deficiency in preventive medicine, which can also be one of the causes of recurrent abortions and pointed out in several studies.

Unfortunately, the transmission of knowledge in the medical field is controlled by the pharmaceutical industry, so officially most doctors do now prescribe more than 600ui per day and consequently many diseases end up being cultivated by this error.

Vita D immunomodulation interferes with the differentiation of some cells of the immune system, such as monocytes to macrophages, stimulates phagocytic activity and inhibits the production of some substances that, in excess, can be harmful.

How do you know if you have disability or not?
Answer the following questions:
- Do you get sick frequently of get infections easily?
- Do you feel week or with excessive fatigue?
- Do you have pain in your bones or bac?
- Do you feel depressed?
- Do you have difficulty in healing process?
- Bone loss?
- Loss of hair?

In the case of two or more positive answers, since having endometriosis is the first affirmative answer for possible disability, see a doctor of any specialty and do a blood test to find out how your body is doing, as it is possible you are below 30ng/ml.

Some protocols call for supplementation to raise levels of Vita D in addition to laboratory markers where the desired levels are between 80 and 100ng/ml, which is considered preventive!

The ideal dosage for supplementing and maintaining these levels in the body is and average of 10,000ui per day to keep these rates above eighty and below one hundred, according to Dr Coimbra up to 10,000ui per day can be used without any dietary precautions since it is an amount that is acquired naturally in ten minutes of exposure to the sun and he still completes, saying that there is no justification for leaving a person without adequate supplementation of Vita D. To have an idea a suman being with nineteen of Vita D in the body, taking a single dose of 600,000ui it takes 3 days to raise the levels to seventy-seven, but in thirty days it already drops to sixty-two, so supplementation should be daily in ideal doses to maintain desirable levels. Children should also supplement if the tests show a deficiency and the ideal dosage is 200ui per kg of weight.

In the COIMBRA protocol, created by this brilliant-minded teacher, a pioneer in treating multiple sclerosis, exclusively with Vita D, each case must be evaluated individually, where doses vary from 20,000 to 150,000 and must be strictly monitored with a rigid and adequate diet to avoid renal impairment, since the major side effect of this vitamin is to force excessive absorption of calcium, such as dairy products and milk derivates, are expressly prohibited through this supplementation prescribed by Dr and Prof Coimbra, as it is dangerous and can reach the point of calcifying the kidneys, so be careful, doses above 20,000ui only with restricted diet and strict medical monitoring.

Periodically check calcium and Vita D to keep your levels controlled and desirable, adjusting the dosage whenever necessary.

Taking daily doses, I believe “I”, being better than weekly doses, as well as taking a little sun a day, is better than toasting in a single weekend, because the body is intelligent and it stops absorbing the beneficial sun rays that activate this hormone after twenty minutes of exposure so that we don´t get intoxicated by the excess of it, so use this information wisely and share it for general knowledge of the world!

Some foods are also rich in Vita D: sardines, and canned tune, beef liver, eggs, cheese, cheddar, butter, yogurt, cod liver oil, etc., but it is not enough.

Now, see your doctor and take it at least once a year to maintain supplementation and enjoy the benefits.

Tradução Pietra Steffen
08/04/2020
156 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo